…Caverna d'Zion…

Diga sim ao Sofrimento e não ao Masoquismo

Posted in Artigos Pessoais by Segundo on janeiro 29, 2010

Diga sim ao Sofrimento e não ao Masoquismo

Aprendi uma coisa a respeito da fé.

“A fé pode nos levar no lugar que desejamos chegar. Entretanto, só a fé em Deus nos leva ao lugar que Ele quer que estejamos.”

Vivemos em uma sociedade que tenta compulsivamente abolir o que “nos incomoda” seja emocional, material, espiritual, social e etc. Como fruto de um processo tecnológico o ser humano tem tentado colher o fruto de “não sofrer”. Todo contingente moderno aponta para a comodidade e juntamente com isso a abolição do que é fraco, pobre, ou ainda de coisas, sentimentos, ferramentas e decisões que nos fazem sofrer e nos causam constrangimentos.

O ser humano não quer sofrer! Não quer ser pequeno, muito menos pobre, fraco porque isso gera dor. Na verdade, dor de ver que existem coisas melhores que não possuímos. Não é simplesmente a dor de não ter o que comer, de não ter quem amar ou de não ser amado, de não ter conhecimento suficiente… não é o simples fato de sofrermos tendo a falta como causa. Mas, sofre-se mais, pelo fato de não possuir o que o outro possui, esse é o maior sofrimento, essa é a maior fraqueza, esse é o maior incômodo.

No mundo como nosso em que a competitividade é a mãe de todas as oportunidades, não se importa ser humilde, pequeno como uma criança é pura loucura (por isso não deixamos crianças serem criança), admitir fraqueza é inadmissível… Somos forçados por uma corrente que prega que o sofrimento faz parte da vida do ser humano só quando ele esta em erro, “pecado”, resultado de escolhas ruins, sempre está ligado a vergonha ou pessimismo!

A tão pregada teologia da prosperidade profere isso aos quatro cantos, o próprio capitalismo demonstra que os seus recursos são apontados para se sair dessa estrada de incômodos, provando que  a “mais valia” é a chave que nos faz parar de sofrer… alguns tentam chamam isso de civilização, talvez por causa o processo tecnológico, essse próprio desenvolvimento ilusoriamente nos afaste do sofrimento, do que nos incomoda e nos coloca certamente em uma prisão um pouco mas aconchegante  e rebuscada.

Nitidamente não queremos sofrer, fraqueza denota dor, pois nos tornamos mais vulnerados. Sabe o que isso tem a ver com fé? com aquela frase lá do início…

Essa fé, que é a certeza de conquistar sempre, cada dia mais, em uma busca material compulsiva, não só no sentido material mas principalmente egoísta do próprio eu, tem nos afastado do sofrimento, da dor, do que nos incomoda. Entretanto, não tem, e nem nos aproximado de Deus… os simples argumento de que “quanto mais longe da dor mais perto de Deus estou” é um argumento totalmente sem embasamento bíblico. Pois se assim fosse o próprio messias estaria em toda a sua estada terrena longe de Deus.

O que incomoda é ver cristãos em posições que ele mesmo conquistou por sua própria fé (diga-se de passagem lugares louváveis) e culpar à Deus por suas limitações e frustrações quando percebem que o caminho e o lugar onde chegou não o satisfez como ele mesmo gostaria de ser satisfeito… em outra palavras, o melhor lugar na sua mente, o melhor lugar no tocante a reputação, o melhor lugar em relação ao poder aquisitivo, o melhor lugar com sua beleza exterior… nada disso levou a vontade boa, agradável e perfeita que é o que Ele nos garante na sua palavra.

Resumindo a vontade de Deus não exclui ou deleta a fraqueza, a pobreza ou aquilo que nos incomoda,  ela não anula nossas frustações ou medos ou o que temos em nós que nos gera dor! A vontade de Deus tem compromisso com uma coisa, com o novo homem que está dia-a-dia sendo gerado em nós e assim sendo tudo que somos, positivamente ou negativamente, segundo nossa visão é utilizado por Ele como ferramenta para moldar esse caráter de Cristo em nós.

Revesti-vos do novo homem que se refaz de pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou. Col 3:10

Deus não quer saber do seu ou meu comodismo, não quer saber se não gostar de sentir dor (seja que de espécie for). Deus quer somente uma coisa! Se refazer em nós e se para isso for necessário fazer-nos sofrer Ele vai utilizar dessa ferramenta, não vou nem mencionar o caráter terapêutico do sofrimento na vida dos grandes homens de Deus que a palavra relata.

Mas caro amigos podem ficar tranqüilos que isso só vai passar aqueles que estão com sua fé em Deus, aqueles que querem andar segundo o Seu propósito. Esses são os escolhidos e não somente chamados. A teologia da properidade não chega tão longe, pode ficar tranqüilo e continuar fazendo suas campanhas para parar de sofrer… é direito seu, foi te dada essa liberdade de escolha! Mas se lembre: “A fé pode nos levar no lugar que desejamos chegar. Entretanto, só a fé em Deus nos leva ao lugar que Ele quer que estejamos.”

” O sofrimento é o melhor remédio para acordar o espírito.” (Émile Zola)

RELA-cionar…Ñ é Opção!É necessidade!

Posted in Artigos Pessoais by Segundo on abril 4, 2009

missaoDeus enquanto essência e suprema perfeição se relaciona através da trindade, o próprio Deus que se declara “Eu sou o que sou” não é um ser egocêntrico ou individualista. Esse Deus criador, o nosso Jeová, é um Deus que se relaciona primeiro com Ele mesmo… e quando falo isso estou me referindo à antes da criação “do mundo”, da humanidade! Não foi por um mero atos isolado que Deus disse “façamos o homem, a nossa imagem e semelhança”.

Nossa essência humana, enquanto feita a imagem e semelhança de Deus carrega o DNA de nosso Pai e dessa forma temos intrinsecamente a necessidade de nos relacionarmos tanto com Deus como principalmente com o nosso próximo. Entretanto esse relacionamento vai muito além da idéia de aglomeração que temos nas cidades ou nos grandes pólos onde vemos nas ruas dezenas, centenas e milhares de pessoas andando uma do lado da outro ou outro exemplo são os gigantescos conjuntos habitacionais de apartamento nos grandes centro urbanos.

casal1A graça que nos foi dada de nos relacionarmos não é opção ou muito menos uma decisão ela é uma necessidade, contudo nos foi dado a liberdade (o livre arbítrio) de decidirmos como fazemos disso ou o que fazemos com isso.

A palavra de Deus nos relata que “tudo que Deus faz tem um fim proveitoso” então cabe a pergunta: Que fim proveitoso existiria ao nos relacionarmos?

Tudo no nosso vida atual esta ligado ao relacionamento. Empresas investem pesado querendo tornar o relacionamento o mais próximo possível, pois sabe que quanto mais próximos os clientes estão maior a possibilidade de fidelização com a marca e com o produto e isso garante rentabilidade certa; todo o processo tecnológico esta firmada nessa raiz relacionametal, a internet hoje não somente é a maior ferramenta desse processo tecnológico como também é a que mais cresce, em outras palavras, anteriormente vc tinha que sair de casa para se relacionar com o seu próximo hoje não mais se precisa disso, com um simples click vc se relaciona com o outro lado do mundo é o chamado relacionamento virtual; tem se a tendência mundial dos governos de se aproximarem o máximo da população deixando de lado a burocratização para fazer um governo o mais democrático e republicano possível, procurando assim uma justiça e um equilíbrio sócio-político-econômico que só o relacionamento pode proporcionar; a própria família moderna tem tentado resgatar esse “perdido relacionamento” pois percebeu que na falta deste a própria família se torna uma instituição falida e sem propósito e tantos outros exemplos poderíamos citar para justificar que mais do que nunca a palavra relacionamento esta na “moda” moderna.

200068598-002Nem se precisa dizer então que o poder a influência do relacionamento é algo quase que decisivo na vida de um ser humano. Isso porque somente através do relacionamento podemos nos desenvolver em qualquer esfera seja econômica, social, espiritual ou em qualquer outra área da vida humana.

A palavra de Deus nos mostra que o fim proveitoso que existe ao nos relacionarmos é o progresso o desenvolvimento e a maturidade que se forma quase que de forma empírica no decorrer desse processo. Contudo, não é puramente o simples fato de nos relacionarmos que nos garante esse crescimento e desenvolvimento como resultante do processo.

Tem que se ter em mente que a qualidade desse relacionamento esta no que se pode “retirar” e “abstrair”. Não existe bons relacionamento que não se possa retirar algo de proveitoso e não existe mal relacionamento que também não se possa se aprender e apreender algo. Em outras palavras, de uma forma ou de outra se cresce, entretanto tem que se ter a perspicácia e a sensibilidade de se filtrar isso de cada relacionamento. Isso é totalmente pessoal e intransferível, essa capacidade nos difere uns dos outros e nos fazem cada dias pessoas mais diferentes uma das outras e nesse julgamento e atribuições de valores nem mesmo Deus interfere pois Ele mesmo que é o legislador desse processo de amadurecimento.

Que venhamos a ser responsáveis relacionamento-explosivopelos nossos relacionamentos e principalmente o que fazemos deles e com eles. Que a honra que nos foi dado por Deus de nos presentear de sermos pessoas diferentes (tomará que para melhores) seja também uma oportunidade de retribuir a Ele no mínimo a parte que nos compete que é de termos responsabilidade de fazer render essa dracma.

Qual tem sido sua cultura?

Posted in Artigos Pessoais by Segundo on fevereiro 5, 2009

cultura

Será que a forma que temos vivido o cristianismo tem influenciado a cultura de nossa casa, nossa família, nossos amigos e a sociedade? A cultura cristã segundo o estilo/modo de vida bíblico (que não podemos rotular) tem sido a cultura mais forte? ou em palavras de sociólogos, tem sido a cultura PREDOMINANTE? ou será que tem sido o contrário?!

A cultura sedentária e de certo ponto anárquica de Big Brother´s Brasil, de degeneração moral e social e de libertinagem material tem sido uma vitrine aberta à degustação que tem enchido o líbido do homo sapiens moderno.

jesus2ap8Muito mais do que atribuir valores de certo ou errado a práticas, costumes e modismo o que temos feito a esse respeito?

O simples fato de sabermos que algo é de proveito ou não, não nos credencia a ser melhores ou piores do que os que se prostituem com ideologias e concepções sem as pratica-lás!

Em Romanos 12:2 fala: “E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente…”. Quando você faz um bolo este bolo depois de pronto, fica “conforme”, isto é, o formato, fica igual ao da forma. Ele por si não tem formalidade, não tem forma, ele precisa ser colocado em uma fôrma para criar forma… quando a palavras nos fala “e não vós conformeis” ela está dizendo: Você está numa fôrma que é o mundo, contudo você não pode deixar que ela venha te moldar… em outras palavras, sair dessa fôrma não tem como, nos já estamos inseridos dentro dela, e disso não tem como fugir!!! Agora, se deixar moldar segundo a cultura “natural’ do mundo é opção nossa… isso sim nos podemos escolher, mesmo que não seja fácil!!!

Contudo tem pessoas… ou será vermes ou algum outro tipo de animal… sei lá se verme é animal!!! Tem “gente”que tem a pachorra de esquecer que são racionais (por isso disse animais) que agem somente por instinto e não usam a razão para deciderem e fazerem suas próprias escolhas e decisões. Se escondem na lama de mediocridade e se lavam com desculpas esfarrapadas. Estou me referindo não a “lobo em pele de cordeiro” nem muito menos a “cordeiro em pele de lobos” estou me referindo ao nosso próprio pastor interior que tem nos guiado a águas amargas e a pastos secos.

O dilema vida e morte esta enraizado em tudo que permeia nossa vida… e somos mais propensos a morte do que a vida… talvez porquê a morte seja mais fácil de se atingir do que a vida… é bem mais fácil morrer do que viver na cultura terrena.

A única válvula de escape é porta da entrada e saída, e posso dizer fielmente, que não deixou de ser estreita… e a porta a qual me refiro é a “transformação pela renovação da vossa (nossa) mente”.

cultura1