…Caverna d'Zion…

Evangelho moderno? (Projeto 242)

 

COMO JOVENS PAULISTANOS PREGAM O EVANGELHO PARA ATRAIR MODERNOS, ROQUEIROS E ATÉ ATORES PORNÔ

Beatriz Toledo/Folha Imagem

Banda de rock abre culto do Projeto 242, igreja localizada no bairro da Liberdade

Fé sob medida 

por Maeli Prado e Rafael Balsemão

Na sala ampla, repleta de pinturas estilizadas de figuras religiosas nas paredes, os instrumentos de uma banda de rock estão a postos e um telão exibe slides que fazem referência ao papel de Jesus como revolucionário.

Como tudo no Projeto 242, igreja localizada no número 900 da rua da Glória, na Liberdade, a pregação passa longe daquelas dos cultos de templos evangélicos tradicionais.

A começar pelo teor do sermão: “Vamos falar do X-Men de verdade. O ‘X’ é de Cristo, ele é o messias, ele é o que traz a revolução”, prega Hudson, 37, apropriando-se de um personagem pop das histórias em quadrinhos para falar de Jesus.

Logo depois, Hudson faz mais uma ligação com a contemporaneidade ao pedir uma prece pelo presidente eleito dos Estados Unidos. “Vamos fazer uma oração para que Barack Obama possa ser iluminado. Deus, tenha misericórdia desse cara.”

Criado há dez anos, o projeto marca a chegada a São Paulo da chamada igreja emergente, movimento que nasceu na Inglaterra, na última década. É uma vertente que congrega denominações que começaram a oferecer cultos alternativos para a juventude, unindo espiritualidade, cultura e vida em comunhão.

O próprio nome da igreja remete ao espírito de comunidade: é uma referência bíblica ao versículo 42 do capítulo 2 do livro dos Atos dos Apóstolos: “E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações”. A divulgação da fé se dá por meio de sites, fotologs e blogs.

Os fiéis do 242 são jovens de classe média ou média alta, muitos deles profissionais de áreas ligadas à criatividade, como designers, publicitários e arquitetos. Acreditam nos valores mais estritos da moral cristã, como a virgindade.

Ao mesmo tempo, fazem parte de uma comunidade religiosa na qual não precisam mudar a linguagem, as roupas ou as preferências musicais para se assumirem como cristãos.

Praticam também a chamada “teologia da inclusão”, levando o cristianismo aos “excluídos”. “Jesus ama a todos”, resume João Mossadihj, 25, o Jota, tatuagens nos braços, repetindo os dizeres dos 2.000 adesivos distribuídos na Parada Gay por ele e outros participantes do Sexxx Church, grupo criado para ajudar prostitutas e viciados em pornografia “a encontrarem Deus”.

Realizam também um trabalho direcionado a evangélicos. O grupo faz palestras nas igrejas, uma vez que recebem pedidos de ajuda de “irmãos” viciados em pornografia.

O Sexxx Church não se classifica como mais uma igreja, embora use o termo em inglês no nome. Seus 30 missionários são de diversas denominações, todos com um perfil parecido com o de Jota, que entrou para o 242 há quatro anos.

Em outubro, o grupo fez jus à primeira parte do nome e foi visto na 13ª Erótika Fair de São Paulo. Lá, o Sexxx Church alugou um estande e exibiu camisetas com os dizeres “Jesus ama os atores pornô”, com a figura impressa de um Cristo de óculos escuros e exibindo tatuagens no braço. “Um Jesus ‘putão'”, define Jota.

O linguajar sem cerimônias do rapaz certamente pode provocar arrepios em cristãos tradicionais. “Se os jovens desta igreja se reúnem, usam essa linguagem e se identificam, acho válido como fenômeno religioso”, afirma o reverendo Luiz Alberto Barbosa, secretário-geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil. No entanto, ele pondera que os fins nem sempre justificam os meios. “A mensagem é válida, mas pode-se questionar se realmente está sendo transmitida.”

É com um discurso mais contemporâneo e ousado que os emergentes querem aumentar o rebanho. “A igreja não tem que ser uma fortaleza. Deve caminhar junto com as pessoas”, defende Jota. Ele acredita que, em geral, os desviados -termo usado pelos evangélicos para definir aqueles que se afastaram da igreja- foram separados de Deus pelas próprias denominações religiosas.

É justamente em busca de quem se “desviou” do cristianismo que iniciativas como o Projeto Toque, uma ONG apoiada pelo 242, se aproxima de prostitutas, sem-tetos e crianças de rua na noite paulistana. “Vamos à região da Cracolândia, da Boca do Lixo e do largo do Arouche e abordamos travestis para conversar, fazer amizade”, relata Fernanda Pinilha, 26. “Acreditamos que, só por estar com eles, resgatamos sua dignidade.”

Plano divino
A integrante do projeto Toque resume a opinião dos fiéis das igrejas emergentes sobre o homossexualismo: “Acreditamos que não é o plano de Deus para o homem, mas não podemos excluir, julgar”.

Adriano Lima, 26, tatuagens que cobrem os seus dois braços, também é missionário em tempo integral do Toque. “O conceito de viver a vida em comunidade é bíblico. É um estilo de vida que deveria ser praticado pelos cristãos”, diz ele, que se prepara para cursar filosofia.

Na igreja do Projeto 242, triângulos pretos de tecido fazem as vezes de cortina nas janelas, lembrando espaços de eventos culturais -na pintura da parede, sobressai uma figura que representa a “noiva de Cristo”, ou seja, a própria igreja.

No lugar dos tradicionais bancos de madeira estão sofás ou pequenas mesas com espaço para no máximo quatro cadeiras, com velas e salgadinhos para facilitar a interação entre os fiéis. E o show de uma banda de rock abre o culto.

“O visual é uma expressão do que nós somos”, explica o reverendo Sandro Baggio, 41, fundador da igreja, referindo-se tanto aos piercings dos fiéis quanto às mensagens de visual moderno exibidas no telão. “Decidimos andar juntos em uma comunidade cristã porque não nos encaixávamos em nenhum outro lugar.”

Oferecer um espaço religioso sob medida para jovens que professam a fé cristã, mas fogem do estereótipo certinho do crente, é o diferencial da igreja dos modernos.

É uma maneira pragmática de olhar a questão religiosa. “Cria-se um ambiente de comunhão, no qual esses jovens não se sentem estranhos”, explica o filósofo Eulálio Figueira, professor do Departamento de Ciências da Religião da PUC-SP. “Se eu vou a um lugar e me sinto bem, vou seguir frequentando.”

Os jovens urbanos, mais ligados à arte, podem se sentir peixes fora d’água em cultos em que seu estilo de vida é demonizado. “As igrejas convencionais e suas grandes assembleias já não atendem a determinadas parcelas da população”, afirma o filósofo. Daí, a organização de grupos religiosos menores e ao gosto do freguês.

Culto revolucionário
Quando questionados sobre como chegaram ao projeto, que atualmente conta com cerca de 150 fiéis, muitos dos frequentadores citam amigos ou parentes em comum.

Como é usual em igrejas emergentes, os membros do 242 também são estimulados a criar: durante o culto ao qual a Revista compareceu, por exemplo, o artista plástico Anderson Augusto, 26, o SAO, pintou um quadro abstrato que intitulou de “O Revolucionário”. “Vou trabalhando de acordo com o que está rolando na pregação.”

A roupagem moderna parece não entrar em choque com valores como transar só depois do casamento e apenas com uma pessoa do sexo oposto. “Casei virgem, com o meu primeiro namorado”, diz Ester de Souza Ganev, 22, mulher de Jota, com quem tem um filho de dois anos, Zion.

“O projeto atrai os jovens, mas muita gente não permanece”, reconhece Ester, que é de família evangélica e passou a ir ao 242 com 17 anos. “A Bíblia não é muito confortável. Quando a pessoa vê que precisa mudar, acaba não ficando.”

A doutrina seguida por Ester não faz a clássica divisão entre o sagrado e o mundano. É difícil imaginar que outra igreja Claudio Tiberius, 43, editor de imagens que ajudou a fundar o projeto, poderia frequentar: roqueiro, dreadlocks nos cabelos e alargadores nas orelhas, ele tem uma banda que não está relacionada com religião. “Agora, estou compondo e gravando com a Eucatastrofe”, afirma ele, que durante os anos 1990 fez parte da banda de metal Krisiun.

À sua imagem e semelhança
Há diversas denominações no Brasil voltadas para as tribos urbanas, como emos, góticos e metaleiros, entre outros.

Já existe inclusive uma organização cristã, a Tribal Generation, que ensina, por meio de cursos, a administrar e a organizar igrejas. “Temos a obrigação bíblica de enxergar o coração, seja de um surfista, seja de um pagodeiro”, explica o produtor Ronei Soriani Junior, 32, um dos colaboradores na capital paulista dessa organização, cuja sede fica em Uberlândia, Minas Gerais.

A Tribal ajudou a criar denominações como a Manifesto, de Uberlândia, formada por “head-bangers” (fãs de heavy metal), a Ministro Milícia, de Vitória, com um público hardcore e punk, e, em Palmas, a Comunidade Zoe, de metaleiros. “A Tribal é uma facilitadora que agrega ferramentas para ajudar grupos que querem encontrar Jesus, como, por exemplo, um emo que está lá no canto dele chorando e que quer Deus”, diz Ronei.

Sem preconceitos, o Sexxx Church, também em nome da inclusão, está prestes a cometer uma heresia, do ponto de vista dos cristãos tradicionais: quer imprimir Bíblias, que serão doadas, com uma capa imitando a folha de um caderno de brochura e com listras da bandeira GLS, com a figura de Cristo de óculos escuros e tatuagem.

Mais: estuda, em 2009, alugar uma noite em uma casa noturna na Augusta, a rua dos prostíbulos e inferninhos da capital, para produzir uma festa. “A ideia é que seja uma balada normal, não-cristã, tocando música eletrônica, com bandas”, explica Jota, da 242.

Nos últimos dez minutos, os baladeiros crentes farão uma preleção sobre um Cristo criativo. “O Jesus do ‘Dogma’ [filme de Kevin Smith, no qual Cristo aparece sorrindo e fazendo sinal de positivo]”, emenda o cristão pós-moderno, para choque de muitos e curiosidade de tantos outros.

Nas pequenas mesas e sofás, alojam-se os fiéis: jovens tatuados que usam roupas modernas e prestam atenção a cada palavra proferida pelo representante comercial Hudson Parente, o pregador da noite, paramentado de calça jeans e tênis All Star. 

Fonte: (11/01/2009 11:24:55) Fé sob medida
Veículo: Jornal: Folha de S.Paulo – Suplemento: Revista da Folha – 11/01/2009

——————————————————————————-
Mendigos, prostitutas e drogados são alvos do 242

m_7450

O maior desafio da igreja atual é alcançar uma diversidade de pessoas, nela devem conter todas as nacionalidades, estilos e classe social, porém cada indivíduo deve sentir-se como parte desse corpo para que cumpra a função para qual foi chamado por Deus. Nesse contexto surge o Projeto 242, uma igreja que há mais de dez anos trabalha com pessoas da cultura alternativa.

O nome 242 refere-se à passagem do livro de Atos dos Apóstolos 2:42, “E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações”.

A igreja foi matéria de capa da “Revista Folha”, no dia 11 de janeiro de 2009, por ser diferente das instituições brasileiras. Ao invés de bancos ou cadeiras justapostas, os membros se acomodam em sofás ou em mesas distribuídas por um salão localizado na Rua Glória, 900, Liberdade, em São Paulo. Eles são, em sua maioria, jovens de classes média e alta, com tatuagens e piercings pelo corpo. A liturgia do culto não é como nas igrejas evangélicas tradicionais.

O Portal Guia-me participou de um de seus cultos e fez uma entrevista exclusiva com o Reverendo Sandro Baggio, que trabalha como pastor integral da igreja.

Guia-me: Quando e como surgiu o Projeto 242 ?

Rev. Baggio: O Projeto 242 surgiu numa época que eu era pastor numa igreja no bairro do Ipiranga e trabalhava com um ministério voltado para jovens da cultura underground, alternativa, roqueiros, chamava-se “Refúgio do Rock”. Depois de anos de trabalho na comunidade, veio um desafio, da própria liderança, para que começássemos algo novo, uma nova igreja em São Paulo. Eu não tinha desejo nenhum em fazer isso, estava feliz em trabalhar com uma igreja local, considerava que havia muitas igrejas na cidade. Então, coloquei uma condição, se fosse para fazer isso, deveria ser para alcançar pessoas que não estavam sendo alcançadas pelas demais, não fazia sentido criar alguma coisa igual ao que todo mundo estava fazendo. Isso cresceu no meu coração, da minha esposa, de alguns amigos, nos reuníamos durante meses para orar e refletir sobre isso. Em janeiro de 1998, começamos aquilo que hoje é o Projeto 242, passamos por várias fases, transformações e localidades diferentes.

Guia-me: Qual é a sua avaliação sobre o estado atual da igreja brasileira?

Rev. Baggio: Eu acredito que a Igreja brasileira enveredou-se por um evangelho conhecido como o da saúde e da prosperidade, isso fez com que perdesse a essência do Evangelho, que é ser como Jesus. Não quero ser um juiz duro em relação à Igreja, faço parte dela. Mas quando vemos um crescimento tão grande da igreja evangélica e não vemos a transformação da sociedade, eu me questiono sobre o tipo de evangelho que está sendo gerado no coração das pessoas, não me parece que elas estão mais semelhantes a Cristo, e isso é lamentável.

Guia-me: Vocês já sofreram algum tipo de preconceito por parte de igrejas mais conservadoras?

Rev. Baggio: Preconceito existe, porque é muito mais fácil julgar pela aparência do que sentar e dialogar para entender o que está no coração das pessoas. Pelo fato de sermos ou fazermos as coisas um pouco diferentes, as pessoas assumem, imediatamente, que nós sejamos liberais em relação à doutrina, ou que não levamos a Bíblia a sério, basta nos acompanhar e verão que isso não é verdade. Nós somos conservadores em relação a doutrina, levamos a Bíblia a sério como Palavra de Deus. A minha formação é de uma Teologia Reformada, temos o compromisso de dar todo o conselho de Deus para as pessoas. A nossa metodologia, nosso relacionamento com a cultura é flexível, pois ela passa por transformações e vivemos no meio dela, cremos que Cristo é o grande redentor da cultura.

Guia-me: O projeto “Toque” trabalha com os menos favorecidos da sociedade, como ele surgiu?

Rev.Baggio: O projeto “Toque” é um ministério que nasceu da nossa visão no início da igreja, queríamos uma igreja comprometida com os pobres e marginalizados, por isso queríamos colocar missionários para trabalhar na “Cracolândia”, centro de São Paulo, então nasceu uma comunidade de missionários que tem atuado há oito anos. Temos visto vidas sendo, literalmente, salvas por Deus, elas viviam nos prostíbulos, estavam completamente destruídas, estão sendo resgatadas e tendo uma nova vida com Deus hoje.

Guia-me: Como é feita a aproximação e abordagem das pessoas no Toque?

Rev.Baggio: Nossa equipe de missionários, de tempo integral, e voluntários saem todos os dias para se relacionarem com as pessoas. Por exemplo, na segunda-feira, os missionários vãos aos prostíbulos da cidade e abordam as prostitutas, conversam e oferecem oração por elas, demonstram só o amor de Deus, que Ele está interessado nelas e as ama. Isso acontece seja nos prostíbulos, com as crianças na rua, no Vale do Anhagabaú, na Cracolândia, muitas vezes dando o primeiros-socorros e visitando travestis. Na verdade, eu classifico isso como “Semeando sementes de amor”, na esperança que algumas delas vão frutificar.

Guia-me: Notamos que no culto não houve um momento para o recolhimento dos dízimos e ofertas. Como vocês trabalham esse assunto?

Rev.Baggio: Percebemos que muitas pessoas não vão às igrejas e não querem saber nada do evangelho porque encaram que a Igreja está interessada em seu dinheiro, que é um grande mercado religioso, então, desde o primeiro dia dessa comunidade de fé decidimos que não iríamos fazer apelos por contribuição e tirarmos ofertas públicas. Nós temos envelopes de contribuição, gasofiláceo, comunicamos de diferentes maneiras o compromisso com Deus, a mordomia cristã e como que devolvemos aquilo que tem nos dado financeiramente também, porém não fazemos disso um grande tema. Deus tem provido de maneira sobrenatural sem que haja de fazer qualquer tipo de apelação.

Guia-me: Como é composta a liderança do Projeto 242

Rev.Baggio: Temos um grupo de pessoas, diretoria e um presbitério, que se reúne comigo semanalmente para orar e buscar orientação de Deus, para sabermos o que compartilhar. Temos pastores e líderes que transmitem as Palavra periodicamente.

8 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Samuca said, on março 9, 2010 at 10:02 AM

    Olá, gostei muito de seus artigos, gostaria de te convidar para partipar de uma rede de troca de conteúdo, para mais detalhes me adiciona no msn co_herdeiro@hotmail.com ou me manda um email ok. Abraços. Samuel

  2. MICHELLE said, on abril 29, 2010 at 8:30 PM

    Ico 5 descreve que quem julga os idolatras… do mundo é Deus, realmente.A palavra diz que nos últimos tempos o amor de muitos se esfriaria e servir a Deus de qualquer jeito é fácil.Hoje é comum nas igrejas se passarem por cristã, afetando aqueles que são fiéis e pagam o preço por amor a Cristo.Comum, moderno nada que agrade a Deus!A palavra é a mesma ontem,hoje e sempre.Misericórdia eu digo por essas almas que o inimigo cegou e vergonha para nós.Não vi ainda na bíblia algo que diga que pode tudo.O céu não é um frigorífico cheio de coração pendurado porque se assim fosse poderíamos fazer o que quisermos,e os céus esperariam por aqueles que não se arrependem de braços abertos.Cadê o temor nos corações daqueles que buscam a Jesus?Em levítico 19:28 “Não fareis lacerações na vossa carne pelos mortos;nem no vosso corpo imprimireis qualquer marca”.Em efésios 4:15 “Antes seguindo a verdade em amor,cresçamos em tudo que naquele é cabeça,Cristo”.I co 6:12 “Está escrito na palavra que todas as coisas me são lícitas mas nem todas as coisas convém”.

  3. Segundo said, on maio 20, 2010 at 4:17 PM

    EITÁ.. escreveu muito minha irmã, isso é raro, MUITO OBRIGADO PELO COMENTÁRIO…
    Creio que falou muitas coisas de proveito… mas uma coisa simple:
    NÃO CONFUNDA GOSTO PESSOAL COM REALIDADE E CONTEXTO BÍBLICO POIS ISSO É UMA COISA MUITO PERIGOSA, lembrando QUE ACHISMOS PESSOAIS CRIAM HEREZIAS…
    TIPO: I co 6:12 “Está escrito na palavra que todas as coisas me são lícitas mas nem todas as coisas convém”.
    SE NÃO CONVEM PRA VC, BELEZA!!!! MAS DAI TRAZER UM PALAVRA DE CONDENAÇÃO E DE EXORTAÇÃO QUANTO AO QUE É LÍCITO É UMA CONTRADIÇÃO. O QUE É LÍCITO É LÍCITO E O QUE É PROIBIIDO É PROIBIDO E PRONTO… ENTRETANTO SE ISSO NÃO CONHECIDE COM SEU “MUNDO” SEU CONTEXTO DE VIDA, já é outro caso!! MAS NÃO VEM USAR A PALAVRA DE DEUS PARA CONFIRMAR ARGUMENTOS PESSOAIS… ATE HITLER FEZ ISSO UM DIA!!!

    ISSO CONVÉM PRA MUITOS… E GRAÇAS A DEUS POR ISSO!!!

    SEJA BEM VIDA AO SITE E TENHA LIBERDADE DE COMPARTINHAR O SEU PONTO DE VISTA QUANDO QUISER.

  4. smsmá said, on julho 7, 2010 at 2:51 AM

    É dificil criticar do ponto de vista bíblico sem saber realmente como é o trabalho e a pregaçao diaria dos cultos, mas, pelo fato de terem tantos trabalhos voltados para pessoas que estão sendo praticamente ignoradas pelas igrejas tradicionais, já é valido. Porque, vamos falar a verdade, que igreja de hoje se importa com pessoas assim, drogados, prostitutas, homossexuais!?!, ao inves de propagar a prosperidade, parece q vcs estao propagando o amor pelo proximo, e a salvaçao por meio de Cristo… legal…

  5. Mell said, on agosto 1, 2011 at 9:09 PM

    É importante que a igreja tenha as portas abertas parea receber a todos da sociedade,sejam eles quem forem e como forem,mas,como somos falhos,até uma igreja bem intencionada pode cometer erros,é preciso ficar atento pra não transformar essas igrejas com visões de integração,como o Projeto 242,em guetos,ou seja,um lugar onde só frequentam “certos tipos de pessoas”,pois,se assim for,logo a igreja vai ser só mais um lugar como qualquer outro,onde só se aceita pessoas com certos tipos de roupas,certos tipos de aparência,certos tipos de jeitos,pra explicar melhor o que quero dizer,tem que se tomar o cuidado pra não acabar discriminando por eemplo alguém que de repente não se vista com um estilo tão moderno,não tenha piercing,tatuagem,não curta certos tipos de música,ou seja,de repente uma pessoa que faz o estilo “certinha” de acordo com o esteriótipo da sociedade,pode se sentir excluida numa igreja como essa pelos outros membros,exatamente por nesse caso ser diferente.fazer panelinhas,grupinhos é um grande defeito humano e é o principio de toda a discriminação que existe nesse mundo.Valeu!

  6. Mell said, on agosto 1, 2011 at 9:15 PM

    Nossa desculpa ai,cometi vários erros de ortografia…é para e não parea;eemplo e não eemplo;exatamente,por nesse caso,ser diferente e não exatamente por nesse caso ser diferente;Espero que mesmo com esses erros entendam o que eu quis dizer,de que temos sempre que estar atentos para não cometer o mesmo erro ao qual criticamos,devemos aprender a aceitar o diferente,ainda que não nos identifiquemos com ele.

  7. Mell said, on agosto 1, 2011 at 9:16 PM

    exemplo e não eemplo..kkkk..ta dificil viu

  8. Antonio said, on dezembro 13, 2012 at 5:56 PM

    Para mim é vender a Idade Medieval em trages jovens e alegres. No fundo é a mesma coisa.. a Igreja que descrimina, intolerante, preza ao passado e que sacrifica o que o homem tem de mais precioso e que se diferencia de uma animal: a razão.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: